Hospital-union

Arquitetura hospitalar: projetos humanizados para promover o bem-estar

O espaço físico de um hospital pode ser considerado um dos responsáveis pela manutenção do bem-estar das pessoas que nele transitam, em especial pacientes e familiares. Neste sentido, citando o filósofo Michel Foucalt, podemos dizer que “a arquitetura hospitalar é um instrumento de cura de mesmo estatuto que um regime alimentar, uma sangria ou um gesto médico”.

Sabemos que o lugar não pode eliminar o sofrimento de quem está em tratamento, mas ao mesmo tempo podemos dizer que um ambiente mais humanizado pode sim contribuir muito para o aumento da qualidade de vida, tanto dos profissionais envolvidos, quanto dos pacientes e entes queridos. Nosso objetivo com este material é mostrar de que forma os projetos de arquitetura hospitalar humanizada pode impactar nesse processo de melhora ou cura.

O que é arquitetura hospitalar?

Para começarmos a entender a importância deste trabalho, é fundamental compreendermos o que caracteriza a arquitetura hospitalar. Trabalhar um projeto com base neste conceito significa pensar espaços que ofereçam mais conforto e tecnologia para o bem-estar de todos os usuários.

Isso significa ter um projeto que seja compatível com as necessidades das pessoas – ou seja, o tratamento – sem esquecer do conforto que é fundamental para o processo de recuperação.

Diferente dos projetos convencionais, que via de regra priorizam apenas a funcionalidade do espaço, a opção humanizada tem como prioridade o usuário, e não apenas a função que deve ser exercida pelo espaço.

Qual o impacto de um projeto humanizado para quem utiliza o espaço?

Hospitais são espaços conhecidos como locais de doença, não de saúde, e este fator por si só já é suficiente para agravar ainda mais as condições físicas dos pacientes. Projetos humanizados, portanto, vem justamente para aliviar a angústia não só de quem está em tratamento, mas também dos acompanhantes.

Projetos com o tratamento acústico adequado podem ajudar a reduzir a ansiedade e a pressão arterial, por exemplo. Com isso os pacientes podem precisar de menos doses de remédios fortes para dor, o que influencia diretamente em sua recuperação física e emocional.

Contribuir para o bem-estar das pessoas impactadas pelos projetos de nossos clientes é o nosso compromisso quando falamos sobre arquitetura hospitalar. Condições que proporcionamos para melhoria na qualidade de vida de pacientes, familiares, e porque não também de médicos e profissionais da saúde em geral.